Encabezado de página

Deleuze e Guattari: a noção de processos de subjetivação

Jorge Alberto Rocha, Deivison Warlla Miranda Sales
Idioma: es

Resumen

La cuestión del sujeto y de la identidad del yo a partir de la Edad Moderna se ha convertido en un tema nuevo y central, en las palabras de Merleau-Ponty. Para dar cuenta de este problema el pensamiento de Deleuze y de Guattari proporcionaron una perspectiva muy interesante, a la vez bastante diferente de la que encontramos desde aquella tradición. Así, los autores trabajaron con nociones como territorialización, rizoma ..., buscando evidenciar que el yo o el sujeto no se da a partir de identidades, sino de diferencias, de encuentros. En fin, ¿cómo comprender la noción de procesos de subjetivación?

Palabras clave

Deleuze; Guattari; Rolnik, sujeito; processos de subjetivação

Referencias

CASSIANO, M.; FURLAN, R. “O Processo De Subjetivação segundo a Esquizoanálise”. Psicologia & Sociedade, 25(2), 373-378, 2013.

DELEUZE, G. Conversações. São Paulo: Ed. 34. 1990.

______ Sobre Teatro: Um manifesto de menos – O esgotado. Compilação de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Zahar. 2010.

______ Dois regimes de Loucos. Tradução de Guilherme Ivo. São Paulo: Ed. 34. 2016.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O que é a filosofia? Tradução de Bento Prado Júnior e Alberto Muñoz. Rio de Janeiro. Editora 34. 1993.

______ Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Aurélio Guerra e Célia Costa. Vol.1 Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995.

______ Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Aurélio (et. al). Vol. 3. Rio de Janeiro: Ed. 34. 1996.

______ O Anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Luiz B. L. Orlandi. São Paulo: Ed. 34. 2010.

DELEUZE, G; PARNET, C. Diálogos. São Paulo: Escuta: 1998.

DESCARTES, René. Meditações. Tradução de J. Guinsburg e Bento Prado Júnior. 2ª ed. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

DOEL, M. “Corpos sem órgãos: esquizoanálise e desconstrução”. In: SILVA, T. (org.) Nunca fomos humanos: nos rastros do sujeito. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

DOMÈNECH, M; TIRADO, F.; GÓMEZ. “A dobra: psicologia e subjetivação”. In: SILVA, T. (org.) Nunca fomos humanos: nos rastros do sujeito. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

FOUCAULT, Michel. O que é um autor? Tradução de António Fernando Cascais e Edmundo Cordeiro. Lisboa: Veja/Passagens, 1992.

______. As palavras e as coisas: uma arqueologia das Ciências Humanas. Tradução de Salma Tannus Muchail. 6ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

FREUD, S. A interpretação dos sonhos. In: FREUD, S. Obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1977. v. 4-5.

GUATTARI, Félix. Caosmose: um novo paradigma estético. Rio de Janeiro: Editora 34, 1992.

______. As três ecologias. Tradução de Maria Cristina Bittencourt. Campinas: Papirus, 1993.

GUATTARI, F., & ROLNIK, S. Micropolítica: cartografias do desejo (4 ed.) Petrópolis: Editora Vozes. 1986.

HUR, D. “O Dispositivo de Grupo Na Esquizoanálise: Tetravalência e Esquizodrama”. Revista do NESME, 9(1), pp 1-60, 2012.

LACAN, J. O seminário: livro 5: as formações do inconsciente. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.

LEVY, Tatiana Salem. A experiência do fora: Blanchot, Foucault e Deleuze. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

MERLEAU-PONTY. Fenomenologia da percepção. Tradução de Reginaldo di Piero. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1971.

______. Signos. Tradução de Maria Ermantina Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

PELBART, P. Poéticas da Alteridade, 2011. Disponível em: . Acesso em: 17 de mar. de 2018.

ROCHA, Jorge. Gilles Deleuze: as aventuras do conceito. Feira de Santana: UEFS/NEF, 2008.

ZOURABICHVILI, François. Deleuze: uma filosofia do acontecimento. Tradução de Luiz B. L. Orlandi. São Paulo: Editora 34, 2016.



DOI: http://dx.doi.org/10.30972/nvt.0133126

Enlaces refback