Encabezado de página

A problematização da vida em Michel Foucault, Roberto Esposito e Nikolas Rose

Gislene Almeida
Idioma: es

Resumen

As investigações de Michel Foucault acerca do exercício do poder sobre a vida inspiraram, tanto em termos de objetivos –uma genealogia dos processos de subjetivação do homem moderno – quanto em termos metodológicos – arqueologia das formas de resistência à sujeição – inumeráveis estudos, polêmicas, críticas e malentendidos, com muitos dos quais Foucault chegou a dialogar ainda em vida. Talvez os conceitos mais presentes nessas investigações sejam os de biopolítica e bio-poder, formulados por Foucault no bojo da problematização que envolve as relações entre saber, poder e subjetividade. O conceito de biopolítica pode ser entendido, grosso modo, como uma “gestão calculista da vida” em prol da promoção da vida, com o menor dispêndio possível tanto econômico quanto ideológico, institucional, etc. O presente artigo visa a apresentar, ainda que sumariamente, o lugar ocupado pelas análises destes conceitos no interior da obra foucaultiana, para, a seguir, apontarmos duas dessas contribuições teóricas que estão em curso neste início de século XXI e que dialogam diretamente com o pensamento foucaultiano: o conceito de paradigma imunitário, de Roberto Esposito, e o conceito de ética somática, de Nikolas Rose

Palabras clave

Biopolítica; paradigma imunitário; bioeconomia; ética somática

Referencias

DELEUZE, Gilles. Foucault. Trad. José Carlos Rodrigues. Lisboa: Vega(s/d).

DELEUZE, Gilles. Desir et plaisir. In: Magazine Litteraire, n. 325: Foucault aujourd’hui. Trad. Luiz B. Orlandi. 1994.

DREYFUS, Hubert. & RABINOW, Paul. Michel Foucault: uma trajetória filosófica para além do estruturalismo e da hermenêutica. Trad. Vera Portocarrero. Rio de Janeiro: Forense Universitária. 1995. p. 158.

ESPOSITO, Roberto. Bíos: biopolítica e filosofia. Edições 70. 2010.

FOUCAULT, Michel. Qu’est-ce que la critique? suivi de La culture de soi. Paris: Vrin. 2015.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: A vontade de saber. Trad. Pedro Tamen. Lisboa: Relógio D’água. 1994.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade. Trad. Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes. 1999. p. 287.

FOUCAULT, Michel. O sujeito e o poder. In: MOTTA, M. (Org.). Ditos e escritos, Vol. IX: Genealogia da ética, subjetividade e sexualidade. Trad. Abner Chiquieri. Rio de Janeiro: Forense Universitária. 2014.

FOUCAULT, Michel. Verdade e poder. In: MACHADO, R. (Org. e Trad.). Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal. 1979.

FOUCAULT, Michel. O nascimento da biopolítica. Trad. Pedro Elói Duarte. Lisboa: Edições 70. 2010.

NIETZSCHE, Friedrich. Schopenhauer educador. In: Escritos sobre educação. Trad. Noéli Correia de Melo Sobrinho. Rio de Janeiro: PUC-Rio; São Paulo: Loyola. 2003.

REVEL, Judith. Diccionnaire Foucault. Paris: Ellipses 2008. p. 41).

ROSE, Nikolas. Governing the soul: the shaping of the private self. Londres/Nova York: Rotledge, 1989.

ROSE, Nikolas. A política da própria vida: biomedicina, poder e subjetividade no século XXI. Trad. Paulo Ferreira Valerio. São Paulo: Paulus, 2013.

SERRES, Michel. Petite Poucette. Les nouveaux défis de l’éducation. 2011. Acesso em 17/05/2017. Disponível em: http://www.academie-francaise.fr/petite-poucette-les-nouveaux-defis-de-leducation



DOI: http://dx.doi.org/10.30972/nvt.0133120

Enlaces refback