Efeitos do sistema de criação, alimentação e mudanças estacionais sobre o peso vivo e valores do hemograma da rã touro gigante (Rana catesbeiana)

Autores/as

  • S. A. Fioranelli Universidad Nacional del Nordeste. Facultad de Ciencias Veterinarias
  • N. B. Mussart Universidad Nacional del Nordeste. Facultad de Ciencias Veterinarias
  • J. A. Coppo Universidad Nacional del Nordeste. Facultad de Ciencias Veterinarias

DOI:

https://doi.org/10.30972/vet.1512005

Palabras clave:

Rana catesbeiana, hemograma, peso vivo, sistema de criação, alimentação, mudanças estacionais.

Resumen

Com o propósito de obter valores normais
para o hemograma, e indagar modificações fisiológicas atribuíveis ao sexo, idade, peso, clima,
e sistemas de criação e alimentação, foram estudados 302 exemplares saudáveis de Rana
catesbeiana de ambos sexos e idades de 9 a 21 meses, criadas em anfigranjas do nordeste
argentino. Obtiveram–se intervalos de referência para hematócrito (28,6–31,6%), eritrócitos
(0,40–0,44 T/l), hemoglobina (6,41–7,20 g/dl), VCM (686–732 fl), HCM (151–164 pg)
e CHCM (22,6–24,0%). Com relação a outras espécies, ressaltam as baixas concentrações
obtidas para eritrócitos e hemoglobina, assim como os altos valores de VCM e HCM. Os
pesos correlacionaram–se significativamente com as idades (r=0,82, p=0,02), mas foram
mais baixos que os obtidos no mesmo período de tempo em criatórios de alta tecnologia,
pois o peso de abate (170 g) em lugar de atingir–se aos 6–7 meses, no nordeste argentino logra–
se aos 12 meses. Em rãs adultas (mais de 12 meses), os maiores pesos foram registrados
naquelas alimentadas “naturalmente” em lagoas, seguidas por aquelas alimentadas no piso
com ração balanceada peletizada (45% de proteína) e minhocas. Os pesos mais baixos foram
verificados em rãs alimentadas com pulmão bovino moído flutuante na água. Com o avanço
do crescimento (aumentos de idade e peso), elevaram–se significativamente os valores de
hematócrito, eritrócitos e hemoglobina, diminuindo HCM. Entre sexos não se registraram
diferenças significativas para o peso nem os parâmetros do hemograma, todavia, as fêmeas
obtiveram níveis levemente maiores que os machos. No inverno houve menores ganhos de
peso e valores hemáticos mais baixos. Destaca–se a utilidade do hemograma para avaliar
os estados nutricionais e sanitários, sugerindo sua aplicação como instrumento idôneo para
otimizar a produção da carne de rã.

Descargas

Publicado

2004-03-07

Cómo citar

Fioranelli, S. A., Mussart, N. B., & Coppo, J. A. (2004). Efeitos do sistema de criação, alimentação e mudanças estacionais sobre o peso vivo e valores do hemograma da rã touro gigante (Rana catesbeiana). Revista Veterinaria, 15(1), 9–16. https://doi.org/10.30972/vet.1512005

Número

Sección

Trabajos de Investigación